https://imgur.com/ZIwdItP.gif

★ ELEIÇÃO EM GOIÂNIA_GOIÁS - Abstenção em Goiânia é a maior do país e supera votos do prefeito eleito da capital, Maguito Vilela

Foto: (Reprodução) /Vice-prefeito Rogério Vilela agradece votos dados a Maguito Vilela, Goiânia Goiás — Foto: Rafael Oliveira/G1


Goiânia teve recorde de abstenção no primeiro turno. No segundo, a porcentagem de eleitores que não foram às urnas cresceu ainda mais...


Maguito Vilela (MDB) foi eleito prefeito de Goiânia neste domingo (29). Mas as abstenções chamaram a atenção. Ele teve menos votos do que o número de eleitores que não foram votar. Entre os índices registrados nas capitais, Goiânia teve o maior do país.  


Com 100% das urnas apuradas, Maguito teve 277.497 votos. As abstenções foram 356.949, o que equivale a 36,75% do eleitorado. Goiânia registrou índice superior a cidades como 

  • São Paulo (30,81%), 
  • Rio de Janeiro (35,45%) 
  • e Porto Alegre (32,76%).


As abstenções do 2º turno superaram as do 1º, que foram de 298.362 (30.72%) e a cidade ficou em terceiro lugar no país. 


Naquela ocasião, Goiânia já havia registrado a maior porcentagem de abstenção desde 2016.  


O presidente do Tribunal Regional Eleitoral, desembargador Leandro Crispim, justificou que o elevado número de abstenções se deve a pandemia do coronavírus. Em coletiva na sede do TRE, neste domingo, Crispim lamentou a quantidade de votos nulos e brancos.  

"Primeiro momento que a gente pode refletir sobre isso é a questão pandêmica que estamos vivendo, estamos num viés de alta neste momento",
disse Crispim.


O cientista político Francisco Tavares aponta dois elementos que impulsionaram esse índice: 

o não comparecimento da população mais vulnerável às complicações da Covid-19 e as pesquisas favoráveis ao candidato Maguito Vilela.  

  • "O primeiro, claramente, é a pandemia. Uma eleição atípica com crise sanitária e as pessoas mais vulneráveis com as complicações da Covid-19, população idosa, hipertensa e com problemas cardíacos, tendem a não comparecer às urnas. 
  •  

  • O segundo elemento podem ser as pesquisas eleitorais favoráveis a Maguito Vilela fazendo com que parte de seu eleitorado tenha se sentido sem necessidade de comparecer as urnas porque acreditasse que o pleito já estivesse resolvido."  


O filho de Maguito Vilela e presidente estadual do MDB, Daniel Vilela, disse que a campanha do 2º turno, baseada por ataques do candidato adversário em relação ao estado de saúde de Maguito, gerou insegurança nas pessoas e refletiu na alta abstenção.  

“Houve esta campanha desrespeitosa contra o nosso candidato, uma campanha vergonhosa, de pessoas que demonstraram não ter o mínimo escrúpulo com a vida humana”,
destacou Daniel Vilela.


Foto: (Reprodução) /Maguito Vilela em foto tirada no dia 12 de novembro, antes de ser entubado pela segunda vez 

Para o candidato que ficou em segundo lugar, Vanderlan Cardoso (PSD), a falta de debate entre os candidatos foi um dos motivos para a grande abstenção nas urnas.  


Em Anápolis, a 55km de Goiânia, a eleição também foi marcada pelo alto índice de abstenção: 

  • 74.637 (27.69%), no 1º turno, 
  • e 88.723 (32,91%), no 2º turno.


Foto: (Reprodução) /Vice-prefeito Rogério Vilela agradece votos dados a Maguito Vilela, Goiânia Goiás — Foto: Rafael Oliveira/G1

Características dos eleitores 


Segundo o TSE, 

  • 52,3% dos eleitores goianos são mulheres, 
  • enquanto 47,7% são homens. 


A faixa etária que concentra o maior número de pessoas aptas a votar é de goianos entre 35 e 39 anos.  


Mais de 20 mil goianos aptos a votar apresentam alguma deficiência. Quase 3% são analfabetos. A escolaridade mais comum é de ensino médio completo – 27% – seguida de ensino fundamental incompleto – 23%.


Fonte: G1 Goiás   


Esta matéria é em oferecimento de:


FOLHA DE CATALÃO - A NOTÍCIA DE FORMA DIRETA



 

Tags

Postar um comentário

[blogger]

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget