https://imgur.com/ZIwdItP.gif

★ CONEXÃO COM O CIDADÃO - Corrupção, acomodação e paralisia: a permanência de um mesmo grupo político no poder está destruindo Catalão...

Foto: Reprodução

Em Catalão, as urnas vão mostrar de novo a estampa desgastada de Adib Elias, que com dificuldades tenta explicar o fato de ele querer o seu quarto mandato de prefeito. 


A possibilidade de Adib ser eleito por mais quatro anos preocupa. A permanência prolongada de um grupo político no poder gera consequências negativas. 


A primeira delas é a corrupção. 


Com o passar dos anos, o grupo descobre maneiras de adaptar o funcionamento da prefeitura - cuja arrecadação chega a R$ 1 milhão por dia - a interesses pessoais, que se afastam da boa prática da governança.  


É fácil observar como o padrão de vida de políticos e auxiliares que gravitam em torno do prefeito melhorou desde 2000, ano em que Adib conquistou, pela primeira vez, o direito de ocupar a cadeira de chefe do poder Executivo Municipal. 


São fazendas, caminhonetes caras e empresas que, implícita ou explicitamente, beneficiam-se com a manutenção do grupo de Adib no poder. 


A permanência prolongada destas mesmas pessoas na prefeitura provoca o enraizamento destas práticas. E, com o passar o tempo, fica cada vez mais difícil interromper esse estado de coisas que fere a impessoalidade e a transparência da gestão.


A segunda consequência negativa é aridez de ideias e propostas que decorre da permanência prolongada no poder. 


Imagine que você trabalha no mesmo lugar, na mesma sala, sentado à mesma mesa por 16 ou 20 anos. Ainda que tenha apego pelo lugar, pelo cargo e principalmente pelas benesses que o cargo oferece, a motivação não será a mesma. 


Com o passar dos anos, extinguem-se a vontade de fazer mais, a determinação de fazer melhor, a ousadia de buscar experiências bem sucedidas pelo mundo e de adaptá-las à realidade local com vistas a melhorar os resultados. O trabalho se torna modorrento. 


É grave quando isso acontece na administração pública, porque a acomodação de um prefeito pode até matar um de seus governados, como é o caso da negligência com a saúde pública.  


Nota-se claramente que esse processo já começou em Catalão. 

  • Antes, muitas empresas e indústrias, como a Mitsubishi e a John Deere, faziam questão de construir e investir na cidade.
  • O PIB também caiu e aquele ciclo de prosperidade acabou. O distrito industrial virou mato, literalmente. 
  • A rede de saúde padece com a falta de esforços para colocar em funcionamento o Hospital Materno e a Santa Casa. 
  • Os bairros periféricos estão em processo de favelização. 
  • Falta água até quando chove. 
  • E não se vê absolutamente nada de novo que encha os olhos dos catalanos e que faça as pessoas acreditarem que o prefeito ainda tem aquela vontade de arregaçar as mangas para trabalhar.  


O que Catalão precisa é de respirar novos ares. Permitir que novas pessoas implementem novas ideias. A alternância política na prefeitura vai impedir o enraizamento de práticas nada republicanas e trazer mudanças que a cidade precisa. 


Não é possível que só uma pessoa consiga governar a cidade. E também não é possível que a cidade seja ainda refém da velha briga entre Adib Elias e Jardel Sebba (agora representado pelo filho Gustavo).


Para renovar a política de Catalão é preciso muito mais do que fazer implante de cabelo e encharcar o rosto de botox. É necessário novas pessoas, novas ideias e, sobretudo, novos métodos de gestão.  


Os jovens que nasceram depois de 2000 nunca tiveram a oportunidade de vivenciar nada de diferente do que há tanto tempo está aí. Infelizmente, não há como enxergar essa realidade como sendo algo saudável para Catalão.



FOLHA DE CATALÃO - A NOTÍCIA DE FORMA DIRETA

Tags
Reações

Postar um comentário

[blogger]

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget