https://imgur.com/ZIwdItP.gif

★ COVID-19 GOIÁS - Agosto começa com 170% mais casos confirmados de coronavírus em relação a julho

Foto: Reprodução /Teste de coronavírus em Goiás


Dados registrados nestes cinco primeiros dias também mostram que houve um aumento de 39% no registro de mortes se comparado ao mesmo período do mês passado. Pesquisador acredita que pico será na 2ª quinzena de agosto...


Agosto começou com 170% mais casos confirmados de coronavírus do que o registrado nos cinco primeiros dias de julho. Os dados referentes às mortes também subiram 39%. De acordo com o balanço divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) nesta quarta-feira (5), o estado tem 77.022 pessoas contaminadas e 1.830 mortos, desde o início da pandemia. 

Apenas nestes cinco dias de agosto, Goiás contabilizou 7.343 casos confirmados contra 2.718 registrados de 1º a 5 de julho. Foram 139 mortes notificadas em agosto, enquanto 100 pessoas morreram nos primeiros cinco dias do mês anterior. 

Em 24 horas, o estado registrou 3.337 novos casos confirmados e 39 mortes causados pelo novo vírus. Até o momento, a SES informa que 68.673 pessoas se curaram da doença. A fila de casos suspeitos tem 139.615 moradores, que esperam resultado de exames.

Pico da Covid-19 

Em meados de julho, o secretário estadual de Saúde, Ismael Alexandrino, havia dito que Goiás enfrentaria o pico da doença na última semana daquele mês, entre os dias 22 a 28. 

Professor e pesquisador da Universidade Federal de Goiás (UFG), Thiago Rangel confirma que os dados das antigas notas técnicas apontavam para altos registros em julho. Porém, de acordo com as informações recentes, o pico foi atualizado para a segunda quinzena de agosto. 


"Não me parece que o pico foi em julho. Os dados mostram um crescimento exponencial. É muito difícil apontar a data exata. A gente só vai saber que o pico aconteceu quando ele passar. Para isso, precisamos ter 14 dias contínuos de decréscimo nos números de casos confirmados e mortes", esclarece Rangel.

Transmissão no transporte coletivo 

A explicação para o aumento de pessoas infectadas está no baixo índice de isolamento social, que recebeu contribuição da reabertura do comércio ao longo de julho. No último dia 27, o governador do estado, Ronaldo Caiado (DEM), decretou a prorrogação 
“por tempo indeterminado” 
do período de funcionamento do comércio em Goiás. A medida segue uma nota técnica da SES, que recomenda a manutenção das atividades econômicas e fiscalização rigorosa dos protocolos sanitários. 

Com a abertura do comércio, mais pessoas utilizam o transporte público para se locomover, onde há grande chance de transmissão do coronavírus, como explica o professor Thiago Rangel. 
"Os protocolos de segurança adotados pelos comércios são importantes, mas não mais importantes que a transmissão que ocorre no transporte público, que não garante segurança às pessoas. O problema nunca foi o comércio, mas as aglomerações, principalmente quando se coloca 50 pessoas viajando por horas dentro de um ônibus. É claro que vai ter transmissão", explicou Rangel. 

Em nota, a CMTC disse que, como órgão gestor do sistema metropolitano de Goiânia, 
"desconhece qualquer estudo que corrobore esta afirmação de que o aumento de casos de contágio tenha origem no transporte coletivo. Inclusive, os funcionários do sistema contaminados, conforme pesquisas internas, não adquiriram o vírus pelo sistema". 
O G1 procurou a SES para que avaliasse os motivos do aumento dos casos em agosto e aguarda retorno.

Evolução dos casos 


  • No dia 12 de março, o governo registrou os três primeiros casos de Covid-19 em Goiás; 
  • Em 6 de maio, Goiás ultrapassou 1 mil casos confirmados e atingiu 45 mortes; 
  • Em 15 de junho, o estado contabilizou 10 mil casos de coronavírus e 226 mortes; 
  • Entre 1º e 30 de junho, o estado registrou 84% dos casos de coronavírus desde o início da pandemia, em março; 
  • Goiás registrou três vezes mais mortes na primeira quinzena de julho em relação ao mesmo período de junho. Os números saltaram de 99, em junho, para 406, em julho. 
  • A marca de 1 mil mortes foi registrada em 16 de julho. 
  • Em 19 de julho, devido a uma instabilidade no sistema de notificação, houve redução de 17 casos nos números de infectados; 
  • Um recorde nos números de casos confirmados foi registrado em 22 de julho, com 3.526 notificações em 24 horas. 
  • Em 23 de julho, Goiás atingiu os 50 mil casos e registrou um recorde de mortes, com 102 registros em 24 horas. 
  • Goiás ultrapassa 58 mil casos e registra 1,4 mil mortes no dia 27 de julho. 
  • Goiás registra em julho média de 1,3 mil casos confirmados de coronavírus por dia. 
  • No dia 2 de agosto, Goiás ultrapassou a marca de 70 mil casos da doença.

Ocupação dos leitos de UTI A rede pública estadual de saúde tem 267 leitos de UTI exclusivos para Covid-19. A taxa de ocupação está em 83,6%. Na enfermaria, o índice é de 74,6%, nesta quarta-feira. 

Já na rede municipal de Goiânia, dos 169 leitos de UTI disponíveis, 82,4% estão ocupados. Na enfermaria, o índice é de 84,1% de ocupação.

Fonte: G1 Goiás


Está matéria é em oferecimento.




Folha de Catalão - A notícia de forma direta
Tags
Reações

Postar um comentário

[blogger]

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget