https://imgur.com/ZIwdItP.gif

★ Nossa História - O poder em Catalão, durante quase um século, foi exercido pelos coronéis.

Foto: Expedição Cruls - 1892  "Tempo de urbanização em Goiás", Juciano G. Rodrigues.

Na época da velha república, os coronéis comandaram os destinos de Catalão.

A Academia Catalana de Letras recorda que, 

O poder em Catalão, durante quase um século, foi exercido pelos coronéis. Na sua maioria, homens sérios e de boa conduta que fizeram o nome da cidade ser respeitado em todo o Triângulo Mineiro e nos demais municípios de Goiás.

Na época da velha república, os coronéis comandaram os destinos de Catalão, cada um a seu modo, ocupando lugar privilegiado na memória dos habitantes da região.

Os mais conhecidos foram: José Maria Ayres, Antonio Paranhos, Isaac da Cunha, Salomão de Paiva Rezende, João de Cerqueira Netto, Pedro Ayres, Augusto Netto Carneiro, Alfredo Paranhos, Bento Xavier Garcia, Augusto Pimentel Paranhos e José Netto Carneiro, entre outros. 

Mas, Catalão virou cidade antes da República Velha, em 1859, em plena monarquia, quando a condecoração de coronéis civis teve início. Quem distribuía a patente de coronel da Guarda Nacional eram os aliados de Dom Pedro II. A honraria era concedida para os líderes políticos, desde 1831, por Diogo Antonio Feijó, conhecido como Padre Feijó, estadista considerado como um dos fundadores do Partido Liberal no Brasil monárquico. 

O interessado na patente de coronel tinha que ser uma pessoa de grande liderança, tipo chefão do interior, para receber a deferência. Com essa medida, os dirigentes da monarquia obtinham aliados, garantindo a costura política do território nacional. 

O novo coronel, no dia da cerimônia de posse, que sempre ocorria no Rio de Janeiro, recebia o título, a farda e a licença para mandar na sua região ou município. E da forma que lhe aprouvesse. A sua vontade, na maioria das vezes, tornava -se decisão jurídica, política e administrativa na sua comunidade. 

O uniforme era bem vistoso. Uma farda de cor azul marinho, tendo um listão vermelho, na parte externa da calça, que ia da cintura até o tornozelo. Um boné bem armado na cabeça, enfeitado com um florão, contendo o símbolo das armas nacionais. Nos ombros, as dragonas douradas e, no braço esquerdo a divisa da patente de coronel. Do lado direito, uma comprida espada, com bainha de prata ou de níquel, conforme as posses do dono. 

O coronel vestia essa farda nas festas cívicas e religiosas, quase sempre amarrotada porque vinha enrolada nos alforjes do cavalo. Ajudava a conduzir o andor dos santos nas procissões, todo empertigado, como se estivesse prestando um grande serviço à nação. Eram figuras folclóricas, mas muito poderosas. 

O primeiro coronel de Catalão foi Roque Alves de Azevedo. Era uma pessoa bastante exótica. Gostava de se vestir de azul no dia a dia e era tão alto e magro, de pernas finas, que parecia uma aranha.  Essa descrição foi feita pela comitiva de naturalistas franceses que, em 1844, foi hospedada pelo coronel na Vila do Catalão. 

O chefe da expedição, Conde de Castelnau, havia atravessado o Paranaíba e trouxera uma carta de apresentação para Roque Alves de Azevedo. O coronel recebeu a comitiva de pesquisadores vestido a seu modo: camisa, colete, paletó, meias altas, calças curtas bem acima dos tornozelos, todas peças de cor azul. Até o chapéu de palha na cabeça era azulado. 

Várias histórias contavam-se desse coronel. Diziam que gostava de promover festanças com os amigos, acompanhado de cortesãs. Nessas ocasiões, noites de cachaça e orgia, obrigava os convidados a dançarem inteiramente nus. Mas, ele próprio se resguardava: conservava o colete e as botas em sinal de superioridade.

O coronel Roque não teve herdeiros naturais. Adotou um menino e concedeu-lhe o próprio nome. Roquinho, como ficou conhecido, tornou-se poeta, músico, boêmio e muito amigo do escritor e juiz Bernardo Guimarães.  

Antes de se tornar Av. 20 de Agosto, o trecho da rua que passa em frente ao Colégio Mãe de Deus, chamava-se Rua Cel Roque Alves de Azevedo.  

Somente com o falecimento do coronel Roque, outros coronéis entraram para o cenário catalano no período da velha república. 



(Luís Estevam)


Tags
Reações

Postar um comentário

[blogger]

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget