https://imgur.com/ZIwdItP.gif

★ Apreender celular de Bolsonaro pode ter ‘consequências imprevisíveis’, diz Heleno

Jair Bolsonaro e o ministro do GSI, Augusto Heleno; general agora evita tratar da questão dos filhos do presidente Foto: Foto: Marcos Corrêa/PR


Ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) afirmou nesta sexta-feira considerar ‘inconcebível’ o pedido de apreensão do celular do presidente...


BRASÍLIA – O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, afirmou nesta sexta-feira, 22, considerar “inconcebível” o pedido de apreensão do celular do presidente Jair Bolsonaro e que, caso aceito, poderá ter  

“consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional”.

A solicitação foi apresentada por parlamentares e partidos da oposição em notícia-crime levada ao Supremo Tribunal Federal (STF) no âmbito do inquérito que apura suposta interferência do presidente na Polícia Federal. Nesta sexta-feira, 22, o ministro Celso de Mello, relator do caso, pediu que a Procuradoria-Geral da República (PGR) se manifeste sobre assunto.  

“O Gabinete de Segurança Institucional da Presidência alerta as autoridades constituídas que tal atitude é uma evidente tentativa de comprometer a harmonia entre os poderes e poderá ter consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional”, diz Heleno, em nota publicada nas redes sociais. 

O Estadão apurou que a divulgação da nota foi acertada com os demais ministros-generais do Palácio do Planalto e com o próprio presidente.


A apreensão do celular de Bolsonaro, de um dos filhos, Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), além do depoimento do presidente, foram requisitados pelos deputados federais Gleisi Hoffmann e Rui Falcão, ambos do PT, e pelas bancadas do PDT, PSB E PV. Ao todo, o grupo apresentou três notícias-crimes em que acusam Bolsonaro de interferência na Polícia Federal.  

No governo, é dado como certo que o procurador-geral da República, Augusto Aras, deverá opinar pelo arquivamento das notícias-crimes, mas isso não impediu que Heleno divulgasse a nota condenando o pedido e alertando para possíveis consequências. 

“Caso se efetivasse, seria uma afronta à autoridade máxima do Poder Executivo e uma interferência inadmissível de outro Poder, na privacidade do Presidente da República e na segurança institucional do País”, afirma o ministro do GSI.  

O recado de Heleno ao Supremo ocorre pouco antes de Celso de Mello decidir sobre a divulgação do vídeo da polêmica reunião ministerial do dia 22 de abril. Segundo o ex-ministro Sérgio Moro afirmou em depoimento, na ocasião Bolsonaro ameaçou demiti-lo caso não trocasse o comando da Polícia Federal. Um inquérito na Corte investiga se o presidente interferiu de forma irregular no órgão de investigação.  

As notícias-crimes foram apresentadas pela oposição no fim de abril, antes mesmo de Moro prestar seu depoimento no inquérito. O pedido de Celso de Mello para que o procurador-geral da República se manifeste costuma ser praxe neste tipo de caso. O que o decano da Corte pede é que Aras opine se o que os parlamentares estão dizendo nos documentos é pertinente e se caberia a abertura de uma ação penal. Nos despachos enviados à PGR, o ministro não emite qualquer juízo de valor sobre os pedidos.  

Nota gera reação da OAB 

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Felipe Santa Cruz, também usou as redes sociais para rebater Heleno. 

"General Heleno, as instituições democráticas rechaçam o anacronismo de sua nota. Saia de 64 e tente contribuir com 2020, se puder. Se não puder, #ficaemcasa”, escreveu no Twitter.

Políticos reagem 

A nota de Heleno gerou repercussões imediatas no mundo político. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, replicou a publicação do ministro e escreveu "Selva", jargão militar. A deputada Carla Zambelli (PSL-SP) também endossou a publicação de Mourão. "Parabéns, @gen_heleno. Tamo juntos"".  

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), escreveu que a nota do ministro é uma ameaça ao STF. 

"Na República, nenhuma autoridade está imune a investigações ou acima da Lei. E na democracia não existe tutela militar sobre os Poderes constitucionais", escreveu.  

A senadora Katia Abreu (Progressistas-TO) disse que o ministro ameaçou a democracia. 

"Muita ousadia e pretensão", escreveu. 

Seu colega de Senado Randolfe Rodrigues (Rede-AP) disse que a manifestação de Heleno demonstra 

"desespero do Planalto diante da divulgação do vídeo da reunião de ministros". 

Alessandro Vieira (Cidadania-SE) também criticou: 

"Não cabe ao GSI mandar recados ameaçadores a autoridades em uma democracia".  

Candidata derrotada à Presidência em 2018, Marina Silva (Rede) disse que a lei vale para todos. 

"A ameaça do general Heleno ao STF é gravíssima e extremamente preocupante", escreveu.


 Fonte: Política Estadão

Tags
Reações

Postar um comentário

[blogger]

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget