https://imgur.com/FAV7q7w.gif

★ RIO DE JANEIRO - Mortos no Jacarezinho exibiam 'feirão das drogas' na internet, aponta relatório

Foto: (Reprodução) 

Relatório coleta publicações de suspeitos com armas e relatos da rotina do tráfico de drogas na comunidade do Rio de Janeiro...


"Se é lindo em silêncio, imagina cantando". 

A frase seguida da foto de um fuzil foi postada em uma das contas do Twitter identificada como sendo do traficante escreveu Isaac Pinheiro de Oliveira, conhecido como 

"Perturbado".


Ele foi um dos 27 mortos na operação Exceptis, realizada pela Polícia Civil na favela do Jacarezinho, na última quinta-feira (6). Logo após ser morto pela polícia, ele recebeu mensagens de uma série de pessoas, como um amigo que disse 

"nós sabemos da sua revolta e o porquê entrou, hoje vai restar saudade".


Um mês antes da operação da polícia civil do Rio de Janeiro no Jacarezinho, Maurício Ferreira da Silva, conhecido como 

"Magneto",
 

postou um vídeo em sua conta do Twitter.

 

A imagem mostrava ele e outro rapaz usando lança-perfume durante uma festa na comunidade. 

"Tbt com meu irmãozao liberdade já pra ti solta juiz" 

(sic.) era a legenda. Maurício também foi um dos mortos pela polícia durante a ação.


"Tbt" 

é uma expressão em inglês que significa 

"throwback thursday", 

algo como 

"quinta-feira nostálgica"
 

em português, utilizada no compartilhamento de fotos e vídeos antigos.


Assim como ele, a maior parte dos suspeitos citados em um relatório da inteligência policial entregue ao Ministério Público usava a rede social como meio de comunicação, para ostentar armas e drogas.


Eles se gabavam de pertencerem ao tráfico de drogas passaram a recebem pelo próprio Twitter homenagens dos parentes, amigos e namoradas que continuam a compartilhar mensagens. Alguns até mudaram a foto de perfil para a imagem de um jacaré, com palavras de luto e homenagens ao que chamam de 

"família Jacaré".

 

 

Foto: (Reprodução) 

 

No dia 30 de janeiro, Isaac anunciava um 

"feirão da droga" 

na localidade invadida pelos policiais. 

"Maconha de galo, boca do fundão, é ela, pedação do quilo, quadradão", 

exibindo tijolos de maconha prensada a R$ 50.


"Começou o feirão da droga", 

fala em vídeo que foi printado pela polícia e incluído no relatório. Quinze dias antes, a oferta era de tijolos menores, 

"tá forte!",
 

dizia ele.


Parte das postagens que ostentam drogas, armas e apologia ao crime continuam disponíveis para acesso no Twitter. Pelo menos 12 contas que são citadas ou relacionadas às citadas no relatório foram excluídas ou suspensas. Contas de pessoas que homenagearam os mortos e são citadas no relatório também foram fechadas para impedir visualizações de quem não é seguido pelas páginas após a preparação do relatório.

 

O Twitter tem usado inteligência artificial para ajudar no controle de postagens abusivas. Em nota enviada à CNN, a empresa diz que 


“tem regras que determinam os conteúdos e comportamentos permitidos na plataforma” 

 

e que as violações a essas regras 


“estão sujeitas às medidas cabíveis”.

 

“Temos sido cada vez mais proativos em detectar possíveis comportamentos abusivos, mas também contamos com as denúncias das pessoas nesse esforço”, 

 

completa a nota.


Questionados se as contas foram apagadas por conta do relatório ou se fizeram uma parceria com a Polícia Civil, eles não responderam. A plataforma também não informou quantas contas apontadas como relacionadas com os suspeitos de tráfico no Jacarezinho foram removidas ou suspensas.


As imagens e propagandas divulgadas pelo Twitter ainda revelam que festas eram realizadas no "pistão do Jacarezinho", mesmo durante o isolamento social e as restrições impostas pelas autoridades municipal e estadual do Rio de Janeiro. Como uma festa que aconteceu no dia 12 de dezembro, com 11 artistas, queima de fogos e "bebidas à venda no local". 


"É o Jacaré! Se nós não pode ir à praia, nós faz a praia, melhor gestão" (sic.), diz um homem em outro vídeo mostrando drogas e notas de R$200. As fotos e vídeos ainda mostram os traficantes uniformizados com chapéus, coletes, roupas camufladas, camisetas personalizadas, abadás com a imagem do jacaré e cifrão de dinheiro e usando comunicadores e armas.


Algumas imagens que trazem armas escondem os rostos com 'emoticons' [desenhos utilizados para ilustrar reações nas redes sociais] para não caracterizar crime, mas fica evidente que se trata dos detentores dos perfis mapeados pela polícia.


Os perfis apontados pela polícia e acessados pela CNN ainda mostram que traficantes de diferentes comunidades se comunicavam. As mensagens de apoio vem de lugares como os complexos do Alemão e da Penha.


Também no Twitter, uma homenagem aos que morreram foi feita em forma de composição musical. "Nós do 'Jaca' tá boladão, nossa luta não é em vão, que saudade dos amigos que se foi pela facção" (sic.), diz um trecho da música.


Além dos apelidos, ainda há referências a localidades, como a 'boca do Fundão' e a 'boca da Vasco' nos perfis mantidos na rede. Alguns suspeitos fazem postagens pornográficas com cenas de sexo explícito e compartilham imagens do cotidiano da comunidade.



Fonte: CNN BRASIL Nacional  


Esta matéria é em oferecimento de:




FOLHA DE CATALÃO - A NOTÍCIA DE FORMA DIRETA

 

Tags

Postar um comentário

[blogger]

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.
Javascript DisablePlease Enable Javascript To See All Widget